Google+

Bem-vindo ao cubo mágico da Governança Corporativa

 Autora:  Ana Quadros , Head of Compliance and Risk - Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Autora: Ana Quadros, Head of Compliance and Risk - Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Com as complexidades em torno das interações na cadeia de valor da saúde, observamos uma desconexão entre provedores, reguladores, fornecedores e pagadores. Atualmente, com o movimento do setor de saúde em busca de crescimento, ocorrerá um potencial investimento em todos os âmbitos dos serviços de saúde a fim de proporcionar atendimento personalizado, desta forma, o foco principal poderá ser a atenção primária para garantir maior autonomia ao paciente.

A cadeia da saúde passará por grandes mudanças em seu modelo de negócio e por meio da influência digital possibilitará a busca de um atendimento inteligente e resultados saudáveis.

Assim perguntamos: qual seria o grande desafio da Governança Corporativa? Muitos poderão responder que um ambiente com os princípios de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa são os desafios da Governança. E qual o valor da boa governança nas novas empresas inteligentes? Essa resposta, o mercado de ações vem apresentando em números com o seu índice de Governança Corporativa (IGC). Observando que as suas representações são as mais atraentes a investidores e garantem um maior retorno aos acionistas.

Então podemos dizer que a resposta seria que a governança corporativa tem como grande desafio reaproximar o capital da gestão pelo caminho das boas práticas e unindo as plataformas dentro do regulatório.

Wow! Esse é um grande desafio! E como unir os princípios e pilares para atingir o caminho? Talvez seja a pergunta que façamos agora.

Atualmente, podemos definir que uma boa governança corporativa abrange estratégia, estrutura, processos, tecnologia e em destaque pessoas.

Podemos começar a entender o ecossistema com a amplitude do meio ambiente, passando por toda a empresa e seus comitês, gerando ações para minimizar os riscos em seus negócios, principalmente, na relação com pacientes e profissionais em uma visão holística na saúde conectada.

Nesse contexto, pensamos nos aceleradores de negócio e se não mencionarmos as áreas como Gestão de Riscos, Compliance e Auditoria Interna no contexto, teremos a promoção de um aculturamento paliativo e exposto a riscos.

A promoção de aculturamento tem que ter essência, identidade e compromisso com os princípios e valores, compartilhando gentileza, respeito e competência no objetivo de atender bem.

Se conseguirmos unir o negócio saúde, com a missão de valorizar a vida e visão de melhor bem-estar para a satisfação dos pacientes, com certeza, estaremos seguindo a diretriz de uma boa governança corporativa.

Como diria Steve Jobs: "antes do produto ou do serviço iremos buscar as pessoas e as pessoas são o elo principal para uma boa governança."