Google+

Ilan Goldfajn: ‘economia brasileira está preparada para diferentes choques’

Screen-Shot-2017-12-13-at-12.50.37-868x644.png
 
 

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou que o país está preparado para absorver diferentes choques domésticos ou internacionais na economia em 2018. Entre os “colchões” que o país tem à disposição estão as reservas internacionais, a inflação e os juros. Goldfajn concedeu nesta 4ª feira (13.dez.2017) entrevista de Prestação de Contas a jornalistas e apresentou o balanço da atuação (íntegra) do Banco Central em 2017.

“Temos uma quantidade de swaps que nos deixa mais confortáveis. As reservas internacionais estão confortáveis, o que nos dá 1 colchão para o ano que vem. A inflação abaixo da meta também serve de colchão. Bem como o fato de as expectativas em relação aos juros estarem ancoradas e a economia brasileira estar se recuperando.”

Ao fazer 1 balanço do cenário macroeconômico brasileiro no ano, ressaltou a importância da queda da inflação. “Ela não só aumentou o poder de compra da população, que levou à alta do consumo e, por consequência, da economia, como refletiu na queda da taxa de juros básica da economia.”

Ilan Goldfajn também falou sobre a possibilidade de a inflação encerrar o ano abaixo do piso da meta, de 3%. A mais recente expectativa do mercado, coletada pelo Boletim Focus, é de que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) termine o ano a 2,88%. Caso a previsão se concretize, o presidente do Banco Central terá de escrever uma carta ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, justificando os motivos do não cumprimento da meta, que tem como alvo 4,5%, com margem de 1,5 ponto para mais ou para menos.

Adiantou o que poderia dizer a Meirelles: “Vamos dizer que seguimos as melhores práticas de política monetária em benefício da sociedade brasileira, que convive com inflação e juros menores e com uma recuperação da economia melhor do que se esperava há 1 ano”.

O presidente considera a queda da inflação ao patamar atual, de 2,5 % no acumulado do ano, 1 grande ativo para a sociedade brasileira. “Esse movimento da inflação permitiu a recuperação da economia brasileira por meio do poder de compra do brasileiro, que aumentou o consumo, chave do começo da recuperação gradual.”

Em relação ao crescimento econômico, o mercado praticamente dobrou sua expectativa de alta da atividade desde dezembro de 2016. À época, a estimativa era de PIB a 0,5% este ano. Hoje, o mercado espera crescimento de 0,9% para 2017, de acordo com levantamento do Focus. O presidente do BC está confiante. “Acredito que essa expectativa vá subir para 1%, pelo menos.”

MOEDAS VIRTUAIS

O chefe da autoridade monetária acredita que reguladores, como o Banco Central, não podem dar suporte a moedas virtuais. “Não há lastro do jeito que estão hoje, não há 1 BC por trás, o que leva a 1 risco.”

Ilan Goldfajn destacou o que avalia ser as funcionalidades desse instrumento: comprar para vender adiante e uso em atividade ilícitas. “É uma bolha, uma pirâmide. As pessoas se aproveitam da subida para vender. Às vezes são usadas para atividades ilícitas, o que não isenta o cidadão que a transaciona de crime.”

Fonte: https://www.poder360.com.br/economia/